Transportes

Combustível Limpo


O Estado pensando num futuro de qualidade


Estado do Rio investe em Combustíveis Limpos

 

 

Programa Rio Transporte Sustentável desenvolve tecnologias sustentáveis para frota de ônibus

 

 

Até 2016 o estado do Rio de Janeiro terá sua frota de ônibus totalmente adequada ecologicamente. Este é um compromisso que já está sendo posto em prática pelo Governo Sérgio Cabral, através do Programa Rio Transporte Sustentável, desenvolvido pela Secretaria Estadual de Transportes. Investimentos maciços em estudos e novas tecnologias estão sendo realizados, através de parcerias com grandes montadoras, instituições acadêmicas e empresas do setor industrial.

 

 

Desde 2007 muitas ações já foram postas em operação, e apresentaram importantes resultados. Experiências com biodiesel a 5 e 20%, motores movidos a hidrogênio, gás natural, diesel de cana e eletricidades são destaques dos projetos aprovados pela Secretaria de Transportes.

 

 

Diesel/Gás

 

Fruto de parceria entre Governo do Estado e Ceg, MAN Latin America e Bosch, o ônibus diesel/gás está em teste nas ruas do Rio desde 2011. O sistema é responsável pela redução de 80% na emissão de material particulado, e de 20% de CO2, um dos maiores causadores do chamado ‘aquecimento global’. O novo motor flex, equipado com seis cilindros, permite que o ônibus rode com até 90% de GNV, apresentando o mesmo rendimento e performance. O coração da tecnologia está no seu sofisticado sistema de gerenciamento eletrônico, que permite controlar simultaneamente os sistemas de injeção dos dois combustíveis.

 

 

- Este é o resultado de um trabalho de quase dois anos. O lançamento deste ônibus é uma vitória industrial para o Rio de Janeiro em termos de desenvolvimento industrial e de mobilidade urbana. Diversas outras frentes estão em andamento neste sentido. Estamos certos de que até as Olimpíadas de 2016 teremos uma frota de ônibus circulando integralmente a base de combustíveis limpos – assegura o secretário estadual de Transportes, Julio Lopes.

 

 

Biodiesel B5

 

O programa “Rio de Janeiro Sai na Frente – Biodiesel 5% na Frota de Ônibus”, idealizado pela Secretaria de Estado dos Transportes e pela Fetranspor, em 2007, teve como objetivo apresentar uma alternativa energética sustentável ao transporte coletivo de passageiros do Estado do Rio de Janeiro, visando a inserção do Biodiesel 5% na matriz energética brasileira, adicionado ao óleo diesel comercializado junto ao consumidor final. O programa alcançou todos os ônibus destinados ao atendimento de atletas durantes os Jogos Pan-Americanos do Rio.

 

 

Somente com os 3.500 ônibus que rodaram durante todo o segundo semestre de 2007 foram evitadas a emissão de cerca de sete mil toneladas de CO2 na atmosfera, o que seria equivalente ao plantio de aproximadamente 12 mil árvores.

 

 

Biodiesel B20

 

 

O Programa Experimental Biodiesel 20%, testado nos ônibus do Rio em 2010, teve como objetivo avaliar o desempenho e a viabilidade econômica do combustível nos veículos, no intuito de garantir um transporte mais eficiente durante os Jogos Olímpicos. O programa é uma parceria entre Governo do Estado e a Federação das Empresas de Transporte de Passageiros do Estado do Rio de Janeiro, Fetranspor.

 

 

O Governo planeja atingir 8.500 ônibus circulando a base de biodiesel. Tal iniciativa poupará a queima de 55 milhões de litros de diesel por ano, evitando a emissão anual de 148 mil toneladas de CO2.

 

 

Diesel S50

 

Até 2013 estão sendo investidos US$6 bilhões em unidades de hidrotratamento, tecnologia necessária para que as refinarias produzam o diesel S-50 e S-10. Com um índice menor em produção de enxofre, o combustível está sendo introduzido em parte da frota, e reduz em 10% a eliminação de material particulado ao ar. No balanço final, será obtido um benefício nas emissões de óxido de nitrogênio de mais de oito milhões de toneladas.

 

 

Ônibus a hidrogênio

 

Com tecnologia 100% brasileira, o veículo por dentro parece um ônibus comum. A diferença está no teto, onde ficam as baterias e os cilindros de hidrogênio. O ônibus, que não polui o meio ambiente, é carregado na eletricidade, e usa também o hidrogênio como combustível. Ele tem capacidade para rodar até 300 km sem parar para abastecer. O veículo é equipado com uma espécie de pilha que faz o motor funcionar. Nela entram o hidrogênio e o oxigênio da atmosfera. Do processo, resultam energia elétrica e vapor d’água.

 

 

Cinco países, além do Brasil, pesquisam esta mistura de fontes de energia para transporte. Os veículos estrangeiros soltam vapor pelo escapamento. No modelo criado com tecnologia brasileira, o vapor é aproveitado. Vira água e contribui para o funcionamento do sistema.

 

 

Ônibus Elétrico

 

A Prefeitura do Rio de Janeiro também está desenvolvendo seu programa em prol de um combustível menos poluente. No final de 2010 foram iniciados testes com um protótipo de ônibus elétrico, com tecnologia assinada pela montadora sueca Volvo. O projeto tem parceria com a Fetranspor e a Fundação Clinton. A intenção é incentivar o uso de ônibus capazes de reduzir a emissão de gases do efeito estufa em até 30%.

 




Encontre em um mesmo espaço serviços públicos facilitando a vida do cidadão e do empresário.

Diário Oficial

  

  

 

PROGRAMAS E AÇÕES

_____________________   Participe das redes sociais   _____________________