Segurança

Notícias

Operação da Polícia Civil prende 149 suspeitos de envolvimento com milícia da Zona Oeste

 07/04/2018 - 13:48h - Atualizado em 07/04/2018 - 13:48h

Operação Medusa é a maior da história de combate à milícia no Rio de Janeiro


 

A Polícia Civil do Estado do Rio de Janeiro, por meio da Delegacia de Homicídios da Baixada Fluminense (DHBF), prendeu, na madrugada deste sábado (07/04), 149 suspeitos (sendo sete menores) de envolvimento com a milícia em Santa Cruz, Zona Oeste da Região Metropolitana do Rio de Janeiro. Além dos presos, foram apreendidos 12 fuzis, 19 pistolas, um simulacro de fuzil, granadas, farta quantidade de munição, 15 veículos roubados, algemas e réplicas de fardas. Durante a operação, quatro criminosos morreram e um ficou ferido. 


A operação “Medusa”, a maior operação de combate à milícia no Rio de Janeiro, contou com o apoio de policiais civis da Coordenadoria de Recursos Especiais (CORE) e da 27ª e 35ª Delegacias de Polícia  (Vicente de Carvalho e Campo Grande).


Segundo informações da Subsecretaria de Inteligência (SSINTE) da Secretaria de Estado de Segurança, entre 2006 e o primeiro trimestre de 2018, 1.387 pessoas ligadas à milícia foram presas no estado do Rio de Janeiro.

 

 

Em entrevista coletiva na Cidade da Polícia, em Benfica, o Secretário de Estado de Segurança, Richard Nunes, parabenizou o trabalho dos policiais que participaram da operação e afirmou que outras operações estão sendo planejadas e serão executadas em curto prazo.


- Quero dizer para a sociedade que a Intervenção Federal está começando a apresentar resultados. Não importa se o crime organizado for armado ou desarmado, ambos serão combatidos implacavelmente – disse.


O Chefe de Polícia Civil, Rivaldo Barbosa, declarou que a Polícia Civil do Rio de Janeiro não vai recuar.


- Essa foi nossa primeira ação e nós vamos continuar – disse.


O Diretor do Departamento Geral de Polícia Especializada, Marcus Vinícius Braga, comemorou os resultados da operação.


- Essa foi a maior operação de combate à milícia da história da Polícia Civil – afirmou.

O Delegado Fábio Salvadoretti, da DHBF, esclareceu que os quatro mortos na operação faziam parte da segurança da organização criminosa e trocaram tiros com os agentes ao serem abordados.
 




Encontre em um mesmo espaço serviços públicos facilitando a vida do cidadão e do empresário.

Diário Oficial

  

 

PROGRAMAS E AÇÕES

___________________   Participe das redes sociais    _____________________