Ciência e Tecnologia

Notícias

Cartilhas são as novas aliadas da rede estadual de ensino na prevenção às drogas

 17/11/2011 - 15:44h - Atualizado em 24/11/2011 - 17:26h
 » Por Marcelle Colbert

Professores receberam material durante o lançamento da publicação


Professores da rede estadual contarão com um novo aliado para debater em sala de aula o combate às substâncias entorpecentes. O Governo do Estado lançou nesta quarta-feira, 16, no Colégio Estadual Jornalista Tim Lopes, no Complexo do Alemão, a cartilha "Tudo o que você pensa que sabe sobre drogas". A publicação - produzida pelo projeto Prisioneiros das Drogas em parceria com as Secretarias de Estado de Ciência e Tecnologia, de Educação, de Saúde e de Segurança e o Tribunal de Justiça - alerta os alunos para os perigos de entorpecentes como o crack, o álcool e até remédios controlados.

 

Duzentas mil cartilhas, financiadas pela Fundação Carlos Chagas Filho de Amparo à Pesquisa do Estado do Rio de Janeiro (Faperj), foram distribuídas para que os professores das escolas estaduais e da Fundação de Apoio à Escola Técnica (Faetec) possam orientar seus estudantes sobre o tema. Uma parceria com o TJ também está sendo estrutura para que a cartilha seja distribuída em várias de infância e juventude, criminais e onde haja casos sendo julgados envolvendo o uso de drogas.

 

A cartilha de 34 páginas traz informações sobre todos os tipos de substâncias entorpecentes, aspectos legais e crimes ligados à droga, dependência química e como ajudar um usuário a se livrar das drogas. O livreto tem ainda endereços e telefones de clinicas e instituições que apóiam dependentes químicos. A próxima etapa do projeto será a distribuição, até o fim do ano, de vídeos educativos sobre o assunto.

 

- Queremos incentivar encontros de pesquisadores, professores e familiares de alunos para que o debate sobre a dependência das drogas seja ampliado. Os estudantes precisam saber que o caminho das drogas é fácil de entrar, mas difícil de sair. Queremos quebrar esse tabu de que não devemos falar muito abertamente sobre as drogas - disse o secretário de Ciência e Tecnologia, Alexandre Cardoso.

 

Segundo o secretário de Educação, Wilson Risolia, a expectativa é produzir mais um milhão e meio de publicações para distribuir a todos os alunos da rede.

 

- Desde o início do ano, a Secretaria de Educação planejou todo o pacote de ações para os próximos 11 anos em diversas dimensões, e uma delas é voltada para o aluno. Nossa preocupação é verificar quais as necessidades dos estudantes, por isso trabalhamos com programas de saúde. Por isso, precisamos enfrentar temas como as drogas de maneira objetiva e clara - afirmou Risolia.

 

Para produzir o material, o projeto Prisioneiros das Drogas entrevistou cerca de 500 dependentes químicos de 18 a 25 anos de idade, que passaram ou estavam no sistema penitenciário do Estado do Rio. De acordo com a pesquisa, 65% dos entrevistados cometeram crimes por causa do uso de drogas ou por envolvimento com o tráfico. Além disso, 80% dos entrevistados são usuários de entorpecentes.

 

- Nossa meta não é criminalizar, e sim equilibrar as áreas da saúde, educação e segurança. A ideia de criar a cartilha surgiu depois de uma série de pesquisas, onde constatamos, por exemplo, que 98% dos municípios fluminenses já foram atingidos pelo crack. É importante divulgar esses dados alarmantes - explicou o coordenador do projeto Prisioneiros das Drogas, Oswaldo Munteal.

 

Prevenção se aprende na escola

 

A diretora do Colégio Tim Lopes, Maria Cristina Fernandes, irá incluir a cartilha "Tudo o que você pensa que sabe sobre drogas" no planejamento educacional da instituição ainda neste semestre. O objetivo é debater o assunto em todas as disciplinas e de maneira didática para chamar atenção dos estudantes. Para a pedagoga, os riscos decorrentes de substâncias entorpecentes afetam milhares de jovens e precisam ser abordados em sala de aula.

 

- Na nossa escola, o tema drogas já é bastante discutido, principalmente porque estamos em uma comunidade pacificada pelo Estado e que antes era dominada por traficantes de drogas. Com a publicação, vamos ampliar essa discussão ainda mais e deixá-la mais atraente. E tenho certeza de que os alunos vão gostar muito do material, que é dinâmico e de fácil compreensão - ressaltou.

 

Estudante do 1° ano do Ensino Médio da escola do Complexo do Alemão, Flávia Lima, de 15 anos, sabe como a falta de conhecimento sobre substâncias entorpecentes pode prejudicar jovens como ela. Flávia convive há anos com um usuário de drogas em sua família e vai aproveitar as dicas e informações da cartilha para ajudar seu parente a se livrar das drogas.

 

- É muito bom aprender sobre os perigos dos entorpecentes no colégio, porque sempre tem um estudante que conhece alguém que é dependente, quer ajudar e não sabe como. Na minha família, eu convivo com um usuário, e fico muito triste de não saber dar o apoio certo. Agora, terei mais conteúdo para dar melhores conselhos - contou.

 

O presidente do Tribunal de Justiça do Estado do Rio, desembargador Manoel Alberto Rebêlo dos Santos, também participou do lançamento da cartilha.

 

Texto publicado no dia 16/11/2011 e republicado no dia 17/11/11 por problemas no sistema de atualização do site




Encontre em um mesmo espaço serviços públicos facilitando a vida do cidadão e do empresário.

Diário Oficial

  

  

 

PROGRAMAS E AÇÕES

_____________________   Participe das redes sociais   _____________________